Arquivo mensal: novembro 2012

Cantar, aplaudir e tocar…

Para tentar explicar como se dá a comunicação entre os planos espiritual e material, grosseiramente, podemos imaginar essa comunicação através de freqüências.
O rádio, a TV, o celular são exemplos. Estes aparelhos emitem freqüências de um ponto, o transmissor, até outro ponto, o receptor. As freqüências não se cruzam porque uma é mais forte do que a outra. O receptor recebe apenas a freqüência na qual está programado.
Analogamente, se imaginarmos que nossos pensamentos são como freqüências e as vibrações emitidas pelos espíritos também são freqüências, podemos dizer que são essas freqüências que ligam espíritos e matéria, onde conseguimos nos conectar com os espíritos de acordo com nossos pensamentos e atitudes, logo, pensamentos baixos atraem espíritos de camadas mais inferiores do plano espiritual, e pensamentos mais elevados, atraem espíritos mais elevados. Continuar lendo

Coisas do terreiro…

Era dia de sessão e como sempre Marcelo chegou na parte da manhã para fazer algo que amava, limpar o terreiro. O dia mal amanhecia e ele já pulava da cama, contente e feliz pela oportunidade de ser útil.

O silêncio do terreiro vazio o tranqüilizava. A empresa que ele trabalhava vinha atravessando sérios problemas e essa semana havia sido em especial desgastante, as demissões prometidas haviam começado. Ver colegas de trabalho, chefes de família serem demitidos o deixou muito tenso e entristecido, mas tal qual passe de mágica tudo isso ficou além do portão de entrada do terreiro. Era dia de gira e ele estava feliz novamente! Sabia que suas energias seriam repostas para enfrentar mais uma semana dura de trabalho. Ele não tinha obrigação de fazer isso, mas fazia porque sentia prazer e alegria, e gostava de ir cedo justamente para poder ficar sozinho e limpar tudo no seu ritmo. Não fazia isso para “aparecer”, como alguns diziam e pensavam, mas porque gostava de trabalhar sozinho. Continuar lendo

Etiquetado

Todo umbandista é católico e espirita ???

Sempre digo que a Umbanda é uma religião que tem como objetivo primordial a evolução espiritual de todos os cidadãos planetários, ensinando a prática do bem do amor e da caridade, e proporcionando o desenvolvimento de uma fé racional, crítica e responsável.

A impressão que se tem, ao se olhar o movimento umbandista, diante da verdade deste discurso, a sua prática está muito distante da teoria. Escutamos muitas vezes, os próprios adeptos reclamarem de situações que contradizem este objetivo, contar histórias que vão de encontro aos ensinamentos pregados e relatar fatos vexatórios. Por outro lado, existem algumas situações litúrgicas (elementos e práticas do culto religioso), ritualistas (conjunto de ritos da religião) e de posições doutrinárias, que ajudam a distanciar ainda mais o discurso da prática.

Um dos pontos chaves que podemos citar, apenas para ficar no exemplo, é o sincretismo religioso (fusão de diferentes cultos ou doutrinas religiosas, com reinterpretação de seus elementos), que a Umbanda desde o início de sua história oficial vivencia. É indubitável a presença marcante na Umbanda de elementos litúrgicos, ritualistas e doutrinários de outras religiões, oriundos principalmente do Catolicismo e do Espiritismo.

As preces católicas (Pai-Nosso, Ave-Maria, Salve-Rainha e o Credo) servem comumente de abertura e encerramento para as giras umbandistas.

Não existe nada mais absurdo, que em um terreiro de Umbanda se reze, por exemplo a segunda parte do Credo. Como umbandistas podem realizar uma afirmação de crença na Santa Igreja Católica, acreditar na remissão dos pecados e pior ainda, na ressureição da carne?

Por que fazer o sinal da cruz todas as vezes que se passa na frente de uma igreja católica?

Por que um umbandista deve batizar sempre seus filhos, já presenciei defesas ferranhas desta causa, na Igreja Católica, com intuito de se evitar que as crianças se tornem pagãs para o resto de suas vidas.


Já ouvi afirmações do tipo: “todo umbandista é católico”. Com argumentos desta natureza é melhor pegar o banquinho do preto-velho, a guia do caboclo e o chapéu do mestre e ir para casa.

Por que nossa visão de mundo espiritual e de doutrina tem que ser a mesma do Espiritismo?

Por que a nossa literatura principal e a mais recomendada é os livros da codificação de Allan Kardec?

Por que nossos terreiros tem que ser centros espíritas e muitas de nossas uniões, associações e federações se denominam espíritas de Umbanda? Continuar lendo

Uma historia sobre o Exú na porteira…

Hoje vamos falar um pouco a razão da existência de Èsù na porteira, tendo obviamente, todo o cuidado de não explanar aquilo que não é permitido, o chamado mistério da nossa religião.
Uma história Nago conta que havia um grande sábio, que em razão do seu surpreendente conhecimento era invejado por muitos, até mesmo pala Morte (Iku) e pela Doença (Arun). Ao saber disso, esse grande sábio consultou um Babalorisa, intentando saber o que fazer para afastar um possível mal à sua integridade física. O Deus da Adivinhação, por meio do jogo, disse que ele seria atacado por Arun (a doença) e em seguida por Iku (a morte) e que para conseguir escapar, ele deveria realizar uma oferenda à dois Èsù, colocando um na entrada principal da sua casa e outro na entrada dos fundos. Assim o sábio fez, com o auxílio do Sacerdote.
No dia seguinte, Arun foi à casa do sábio e, ao chegar na porta de entrada, deparou-se com Èsù. Arun disse: “Me dê licença Èsù, pois quero entrar”. Èsù, que havia recebido as oferendas do sábio, disse à Arun que não permitia a sua entrada, que desse meia volta. Arun no entanto, não se deu por contente e tentou entrar pela porta dos fundos, mas lá, o outro Èsù também não deixou Arun entrar. Iku, fez o mesmo que Arun e não conseguiu entrar na casa do sábio.
Desde aquele dia, Èsù está na porteira dos sábios, evitando que coisas negativas entrem.

Sr. Marabo

O Sr. Marabô tem sua legião trabalhando no corte de trabalhos de magia negra. Sua poderosa legião também atua no corte de trabalhos ou correntes negativas em pessoas que sintam-se atingidas por espíritos perturbadores – quiumbas, promovem descargas em pessoas atingidas por despeitos com repercussão no emocional (queda de posição financeira, desemprego etc.), cortam demandas de saúde física e mental e descarga nos filhos de Oxossi.
Caminhos
  • Marabô das Sete Encruzilhadas
  • Marabô do Cruzeiro
  • Marabô das Almas
  • Marabô Toquinho
  • Marabô Cigano
  • Marabô das Matas
  • Marabô da Calunga
Características

Bebida bebidas finas
Fuma finos charutos
Guia Vermelha e Preta
Lugar encruzilhadas de ferro (trilho de trem).
Metal Cobre
Mineral Quartzo Azul Escuro
Planta Mamona
Vela pretas, vermelhas e pretas
Pontos Cantados
EXU EXU Exú Marabô
Dentro de uma casa velha aonde mora a escuridão Exú
um homem sempre passava com o seu chapéu na mão Exú
quem tem asa sempre voa quem tem pé sempre caminha
eu nao saio a luz do dia não mas a noite sempre é minha Exú
Na porteira da calunga eu vi os exús de marabô 2X


Procure aprender
Este dito popular
Devagar se vai longe
Quem espera sempre alcança
Num toque de alegria
O doce sabor que contagia
Quem tem amor
Pode até compartilhar
E quem não tem
Com certeza vai achar
O teu medo de perder
Não se deixa vencer
Não é razão
Mas é a vontade
De mudar a situação
Não tenho luxo
E nem tenho riqueza
Só amor e sabedoria
E sei até falar francês
Sou exu Marabô
E pra você eu sou doutor

 História

O reino estava desolado pela súbita doença que acometera a rainha. Dia após dia, a soberana definhava sobre a cama e nada mais parecia haver que pudesse ser feito para restituir-lhe a saúde. O rei, totalmente apaixonado pela mulher, já tentara de tudo, gastara vultosas somas pagando longas viagens para os médicos dos recantos mais longínquos e nenhum deles fora capaz sequer de descobrir qual era a enfermidade que roubava a vida da jovem. Um dia, sentado cabisbaixo na sala do trono, foi informado que havia um negro querendo falar com ele sobre a doença fatídica que rondava o palácio. Apesar de totalmente incrédulo quanto a novidades sobre o caso pediu que o trouxessem à sua presença. Ficou impressionado com o porte do homem que se apresentou. Negro, muito alto e forte, vestia trajes nada apropriados para uma audiência real, apenas uma espécie de toalha negra envolta nos quadris e um colar de ossos de animais ao pescoço. – Meu nome é Perostino majestade. E sei qual o mal atinge nossa rainha. Leve-me até ela e a curarei. A dúvida envolveu o monarca em pensamentos desordenados. Como um homem que tinha toda a aparência de um feiticeiro ou rezador ou fosse lá o que fosse iria conseguir o que os mais graduados médicos não conseguiram? Mas o desejo de ver sua amada curada foi maior que o preconceito e o negro foi levado ao quarto real. Durante três dias e três noites permaneceu no quarto pedindo ervas, pedras, animais e toda espécie de materiais naturais. Todos no palácio julgavam isso uma loucura. Como o rei podia expor sua mulher a um tratamento claramente rudimentar como aquele? No entanto, no quarto dia, a rainha levantou-se e saiu a passear pelos gramados como se nada houvesse acontecido. O casal ficou tão feliz pelo milagre acontecido que fizeram de Perostino um homem rico e todos os casos de doença no palácio a partir daí eram encaminhados a ele que a todos curava. Sua fama correu pelo reino e o negro tornou-se uma espécie de amuleto para os reis. Logo surgiram comentários que ele seria um primeiro ministro que agradaria a todos, apesar de sua cor e origem, que ninguém conhecia. Ao tomar conhecimento desse fato o rei indignou-se, ele tinha muita gratidão pelo homem, mas torná-lo autoridade? Isso nunca! Chamou-o a sua presença e pediu que ele se retirasse do palácio, pois já não era mais necessário ali. O ódio tomou conta da alma de Perostino e imediatamente começou a arquitetar um plano. Disse humildemente que iria embora, mas que gostaria de participar de um último jantar com a família real. Contente por haver conseguido se livrar do incomodo, o rei aceitou o trato e marcou o jantar para aquela mesma noite. Sem que ninguém percebesse, Perostino colocou um veneno fortíssimo na comida que seria servida e, durante o jantar, os reis caíram mortos sobre a mesa sob o olhar malévolo de seu algoz. Sabendo que seu crime seria descoberto fugiu embrenhando-se nas matas. Arrependeu-se muito quando caiu em si, mas seus últimos dias foram pesados e duros pela dor da consciência que lhe pesava. Um ano depois dos acontecimentos aqui narrados deixou o corpo carnal vitimado por uma doença que lhe cobriu de feridas. Muitos anos foram necessários para que seu espírito encontra-se o caminho a qual se dedica até hoje. Depois de muito aprendizado foi encaminhado para uma das linhas de trabalho do Exu Marabô e até hoje, quando em terra, aprecia as bebidas finas e o luxo ao qual foi acostumado naquele reino distante. Tornou-se um espírito sério e compenetrado que a todos atende com atenção e respeito. Saravá o Sr. Marabô!
Referências
  • Autor : Luiz Carlos Pereira
Exú Marabô Toquinho
O seu vulgo(Exú Marabô Toquinho). Se trata de uma entidade que quando vida teve, viveu com o titulo de Feiticeiro Sr. da Tribo em uma época medieval, mais antiga que a própria antiguidade. Muitos pesquisadores relata que pode ser encontrado parte da Biografia dessa entidade até hoje no Norte da Rovaniemi “Norte da Finlândia” – Onde esta localizada a mata gelada. Foi um Feiticeiro Bruxo que carregava seus conhecimentos da Magia e Bruxaria em suas 7 cabaças. Sendo aprendiz de Bruxos e de Feiticeiros D’rumas. sendo pelos seus ritos e feitos, por derrubar uma manada de Búfalos que todos da tribo os temia assim como o Rei também. Marabô com seu poder foi capaz de salvar a tribo de uma manada de Búfalos os desafiando sozinho. Recebeu do Rei da Tribo o nome de Feiticeiro Sr. da Tribo e passou a ser chamado por todos de Marabô Toquinho por ser ágil, consciente, astucioso, alto e extremamente forte.
Mas carrega o nome de Toquinho por ser Alto e ter 2 Metros e 50 Centímetros de Altura “E só incorpora em médiuns de 1,75 Altura para baixo”. Um homem, com postura fina, elegante e um bom apreciador de conhecimentos, boas bebidas como Vinhos, Whisks, Marafos e outros. Utiliza uma Capa de Veludo preto como de um conde. Conseguiu transpassar a barreira do tempo de sua própria existência através da prática da Magia e hoje incorpora em um médium para dar consultas e resolver problemas espirituais utilizando o seu conhecimento milenar, sua magia e seu poder de Exú através de seu ponto Cabalístico e sua Bruxaria. Exú Marabô esta na hierarquia cabalística 3°(Terceiro) comandado de Exú Asgataroth. É reconhecido como o Senhor da 7 Cabaças e do Dendê. É determinado a esse Exu, a fiscalização do plano físico, distribuindo ordens aos seus comandados. Apresenta-se como um autêntico cavalheiro, apreciando bebidas finas e os melhores charutos. Apresenta-se falando pausadamente e com uma delicadeza extrema e possui um porte ereto e elegante. Seu poder esta nas Encruzilhadas e também no Tempo comandando o povo do Trilho, alem de realizar trabalhos dentro de seu circulo cabalístico e seu ponto universal nas casas de kimbanda nos quais ele predomina, tem como curiador o marafó e todas as bebidas destiladas. Recebe também oferendas de pade (Farofas) de Pinga e Dendê, ejé, Pimenta e etc…
Ao realizar seus trabalhos se transforma num Grande e Poderoso Bruxo com suas Cabaças. Imantando e evocando não à problemas que ele não possa solucionar.

EXÚ MARABÔ DA FIM A CARREIRA DO KIUMBA E SEU CAVALO!

Exu Marabô está em terra. Os poucos filhos que acompanham aquele terreiro vibram com sua presença. Na assistência algumas pessoas ansiosas aguardam para serem atendidas. O Exú ri, dança, bebe desenfreadamente.
Atende uma filha da casa recém-casada. Fala para a filha tomar cuidado com o marido, pois ele vai traí-la em breve. A moça desespera-se. Ele então passa uma longa lista para realizar o trabalho salvador. Sabe que já plantou a semente irreversível da desconfiança no jovem casal. Na assistência um pequeno empresário aguarda atendimento. O Exú diz que a firma não falirá, para isso precisa de vultuosa quantia em dinheiro para trabalho urgente. Chega a vez de uma médium, filha de outro terreiro, que visita pela primeira vez a casa. Mais uma vez o compadre não se faz de rogado. Diz para a pequena sair do terreiro que freqüenta, pois segundo ele a mãe de santo não entende nada sobre umbanda. E assim ele vai plantando a discórdia, a desunião, a dor.
Sempre que pode humilha publicamente os filhos da casa.
Os dias passam sem novidades.
O que ninguém ali imagina é que por trás daquela entidade que se diz chamar Marabô, está escondido um enorme quiúmba. Aproveitando-se do fato do tal pai de santo ser pessoa leiga, gananciosa e totalmente despreparado, ele domina o mental do incauto médium. Diverte-se com a angústia dos outros. Sempre que pode põe o pai de santo em enrascadas (cheques sem fundos, golpes que são descobertos constantemente, brigas e desunião em família). E o pai de santo não tem escrúpulos algum em usar o nome de um grande e respeitado Exú de Lei. Ao contrário, fica feliz em saber que aos poucos vai minando a credibilidade do verdadeiro Marabô. O Exú raciocina que o dia em que as trapalhadas colocarão tudo a perder e ele simplesmente abandonará o falso pai de santo à própria sorte. Não será o primeiro nem o último que ele abandonará. Afinal pensa o quiúmba, não fora ele que médium ainda novo, desenvolvendo, resolveu mistificar para dar uma abreviada no processo mediúnico de desenvolvimento? Não fora também por conta própria que o médium abandonara o terreiro de sua mãe de santo, sem ter preparo algum? Sem falar que enquanto esteve lá, desrespeitava os ensinamentos da casa, zombava dos irmãos de santo, dava golpes em tantos médiuns que muitos pediram até sua expulsão da casa? Pois então fora ele mesmo que atraiu o quiúmba e sendo assim essa sociedade duraria até quando fosse possível.
O ser do umbral ganhando energia negativa, achincalhando Marabô, e o falso pai de santo ganhando dinheiro. O quiúmba também aproveitava para trazer em terra seus falangeiros, que se aproveitam dos médiuns titubeantes da casa.
Hoje é dia de gira, no atabaque o atabaqueiro já está devidamente bêbado e sob influência dos asseclas do quiúmba. As filhas e filhos da casa cegos em sua fé e sob forte energia maléfica, são capazes de aceitar qualquer loucura ali realizadas. O falso Marabô está feliz, já olhou a assistência antes de incorporar.
Notou algumas pessoas que não lhe despertaram interesse.
Algumas mulheres velhas e sem dinheiro, um homem que também não traz dinheiro algum. Vai se divertir com eles. Pronto já está em terra!
Atende a assistência como de costume, diverte-se com as angústias, os medos, as dores daquelas pobres almas.
Chega a vez do homem que estava na assistência, ele adentra de maneira lenta. O quiúmba não lhe dá a mínima atenção.
Um erro fatal.
Pois assim que o homem fica frente a frente com o ser do umbral algo inusitado acontece: o homem incorpora, solta uma gargalhada jovial e desafiadora. Alguns médiuns do terreiro que mistificavam ou recebiam alguns asseclas do quiúmba “desincorporam” convenientemente.
O atabaqueiro de tão bêbado, acaba por cair ao lado do tambor.
A assistência não entende o que se passa.
O quiúmba entende, mas para ele é tarde demais.
Por estar incorporado ele não tem tanta desenvoltura como gostaria nesse momento crucial. Está só, já que os covardes que o seguiam fugiram dali.
O verdadeiro Marabô está ali diante dele e avança em sua direção.
No congá as velas começam a queimar a cortina que protege o altar.
Na cafua a pinga aquecida pelas velas também se incendeia.
A assistência percebe que algo muito errado está acontecendo e fogem todos.
Antes o verdadeiro Marabô se vira para eles e mostra o quanto foram tolos em se deixar enganar. Fala que devem procurar ajuda, mas em terreiros sérios aonde se pratica a caridade, o amor e a união. Mostra o quanto foram usados.
O quiúmba protesta, mas é inútil, a máscara já caiu.
Marabô não está só, sua falange e muitos Exús de Lei estão adentrando no falso terreiro.
O quiúmba é capturado e levado para o Reino de Exú, onde pagará caro pela insolência.
O falso pai de santo está entregue a própria sorte.
As chamas consomem o terreiro velozmente.
Ao chegar as primeiras viaturas do Corpo de Bombeiro o oficial de plantão presencia uma cena que jamais esquecerá: no meio das chamas o pai de santo é “tragado” por um buraco negro, e some diante dos olhos do atônito bombeiro.
Uma risada se faz ouvir. Marabô gargalha satisfeito do outro lado. Apesar das chamas o bombeiro sente um frio que lhe percorre a espinha. O terreiro vira cinza e não se acham vestígios do corpo do pai de santo.
Justiça foi feita.
Saravá Senhor Marabô!!!

Rosa Caveira


Pomba Gira Rosa Caveira, a Bruxa-Guerreira, tem duas faces: uma é linda, a outra uma face esquelética. Uma senhora muito assustadora. Não se surpreenda, ela é do reino das Almas e vive no cemitério.

Trabalha na linha das almas e faz parte da falange do Exú Caveira. Ela viveu aproximadamente á 2.300 anos antes de Cristo, na região da Mongólia, os seus pais eram agricultores e tinham muita terra. Ela era uma das 7 filhas do casal, seu nascimento deu-se na primavera e sua mãe tinha um jardim muito grande de rosas vermelhas e amarelas, que rodeava toda sua casa. E foi nesse jardim, onde ocorreu seu parto. Seus pais além de serem agricultores, também eram feiticeiros, mas só praticavam o bem para aqueles que os procuravam, sua mãe tinha muita fé em um cruzeiro que existia atrás de sua casa no meio do jardim, onde seus parentes eram enterrados. No parto da Rosa Caveira, a mãe estava com problemas, estava perdendo muito sangue e podendo morrer . Foi quando a avó da Rosa Caveira quejá havia falecida há muito tempo, e estava sepultada naquele cemitério atrás de sua casa, vendo o sofrimento de sua filha, veio espiritualmente ajuda-la no parto, conseguiu dar a luz a Rosa Caveira, e como prova de seu amor a neta, sua avó, colocou em sua volta, várias Rosas Amarelas e pediu a sua filha que a batiza-se com o nome de Rosa Caveira, pelo fato dela ter nascido em um jardim repleto de Rosas e em cima de um Campo Santo e também pela aparência astral de sua mãe que aparentava uma caveira. E em agradecimento a ajuda da mesma, ela colocou uma Rosa Amarela em seu peito e segurando a mão de sua mãe, a batizou com o nome de Rosa Caveira do Cruzeiro
Ela cresceu com as irmãs, mas sempre foi tratada de modo diferente pela suas irmãs, sempre quando chegava a data de seu aniversário sua avó ia visitá-la espiritualmente e por causa destas visitas e carinho que seus pais tinham a ela, suas irmãs começaram a ficar com ciúmes e começaram a maltratar Rosa, debochar dela, dizer que ela era amaldiçoada pois havia nascido em cima de um Campo Santo e seu parto feito por uma morta.E a cada dia que se passava, Rosa ficava com mais raiva de suas irmãs. Então ela pediu para seus pais, que ensinasse a trabalhar com magia, mas não para fazer maldade, mas sim para sua própria defesa, e ajuda de pessoas que por ventura a fosse procurar. Sua avó vinha sempre lhe dizer que ela precisaria se cuidar, pois coisas muito graves estariam para acontecer. Seu pai muito atencioso a ensinou tudo o que sabia, e também ensinou-a a manejar espadas, lanças, punhais. Sua mãe lhe ensinou tudo o que poderia ser feito com ervas, porções, perfumes, e principalmente o que se poderia fazer em um Cruzeiro.
Suas irmãs ficaram com mais raiva ainda, pois ela estava sendo preparada para ser uma grande Feiticeira, e sendo ajudada por seus Pais e sua Avó, e zombava mais ainda dela, chamando-a de mulher misturada com homem e demônio, uma aberração da natureza, não por causa de sua aparência, pois ela era linda, mas sim por vir ao mundo nas mãos de uma Caveira (sua avó).
Suas irmãs se casaram com agricultores da região, porém a mais velha, se aperfeiçoou em Magia Negra, e por vingança do carinho e a presteza que seus pais davam a Rosa e não a elas, não porque seus pais gostavam mais dela, pois eles tinham amor igual a todas, mas Rosa demonstrava mais interesse do que as outras, ela fez um feitiço que matou seus pais. Rosa com muita raiva, matou sua irmã e seu marido. As outras irmãs com medo dela, juraram lealdade a ela e nunca mais zombaram dela. Aos 19 anos ela saiu ao mundo querendo descobrir algo novo em sua vida, foi quando ela conheceu um homem (Mago) que tinha 77 anos, e juntos com seus 4 irmãos, ele foi ensinando a ela varios feitiços, tudo sobre a vingança, o ódio, a dor, pois esse homem era o Mago mais odiado e temido da redondeza pelos Senhores Feudais e Magos Negros. Vivia em um cemitério com seus 4 irmãos e discípulos. Ela aprendeu a ver o futuro e fazer varios feitiços de um modo diferente, sempre usava um crânio tanto humano como de animal e em sua boca colocava uma rosa amarela, foi quando em uma de suas visões, viu suas irmãs planejarem sua morte. Ela fez um feitiço, que matou todas suas irmãs. Após fazer isso ela voltou a companhia do mago, e com sua ajuda percorreu várias aldeias, causando guerras para fazer justiça e para livrar os povos dos Senhores Feudais, e dos encantos de Magos Negros e Feiticeiros Malignos, e por causa disso ela era muito venerada, adorada e respeita por todos. Aos 99 anos, seu amado e seu mestre, morreu e ela assumiu seu lugar junto com o irmão mais velho do mago.
Aos 77 anos ela foi traída por um dos irmãos do mago falecido, o terceiro irmão, que a entregou a um mago que estava a sua procura, este Mago era um dos mais temidos e perversos e que sabia o ponto fraco dela. Com a ajuda desse irmão, esse Mago a matou, e degolou a Rosa e entregou sua cabeça em uma bandeja de ouro rodeada de rosas vermelhas, para os Espíritos Negros. Após isso ela ficou aprisionada espiritualmente por esse mago até ser liberta pelo seu amado e mestre o mago falecido, que entregou a falange do Exú Caveira. O irmão do mago que a traiu, foi morto 3 anos depois pela própria Rosa, e deu sua alma de presente a seu amado e Mestre, se tornando assim seu escravo. Foi ai que ela começou a trabalhar na linha das almas e ficou conhecida como Rosa Caveira (Pomba-Gira Guerreira e Justiceira), pois em sua apresentação astral ela vem em forma de mulher ou caveira, ou meio a meio sempre com uma rosa amarela em suas mãos e uma caveira aos seus pés, caveira esta que representa, todos seus inimigos que cruzam seu caminho.

Pantera Negra

No rico universo místico da Umbanda, existem entidades pouco conhecidas e estudadas. Com o tempo, é natural que algumas delas sejam esquecidas por nós. Uma delas é Pantera Negra, celebrado por uns como caboclo e por outros como exu.
Seu Pantera era mais conhecido pelos umbandistas de antigamente, quando muito terreiro era de chão batido, caboclo falava em dialeto, bradava alto e cuspia no chão.
Nas sessões ele comparecia sempre sério, voz de trovão, abraçando bem apertado o consulente que atendia. Não gostava muito de falatório, queria mesmo é trabalhar.
O tempo foi passando e raramente o encontramos nos centros, tendas e outros agrupamentos de nossa umbanda. Aonde terá Seu Pantera ido ?
O falecido Pai Lúcio de Ogum (Lúcio Paneque, de querida memória), versado nos mistérios da esotérica Kimbanda, que se diferencia da popular Quimbanda e está distante da vulgar Magia Negra, dizia que Pantera Negra era chefe de uma Linha de Caboclos que atuam na Esquerda.
Estes caboclos, explicava Pai Lúcio, eram espíritos oriundos de tribos brasileiras muito isoladas e desconhecidas, ou de tribos das ilhas do Caribe, Venezuela, México e mesmo dos Estados Unidos.
Índios fortíssimos, arredios e alguns até brutos, as vezes gostam de marcar seus “cavalos”, ordenando que coloquem na orelha uma pequena argola e no braço uma espécie de pulseira de ferro.
Ainda costumam receber suas oferendas em encruzilhadas na mata, na vizinhança de uma grande árvore. Podem ser assentados em potes de barro com ervas especiais, terra de aldeia indígena e outros elementos secretos, que são consagradas por sacerdotes iniciadas nos mistérios destes espíritos. Pai Lúcio ainda dizia, que a maioria dos médiuns destes caboclos são homens.
Os mais conhecidos, além de Pantera Negra, são : Caboclo Pantera Vermelha, Caboclo Jibóia, Caboclo Mata de Fogo, Caboclo Águia Valente, Caboclo Corcel Negro e Caboclo do Monte.
Alguns irmãos umbandistas conhecem estes trabalhadores astrais, com o nome de Caboclos Quimbandeiros.
Pantera Negra aparece como caboclo e exu, mesmo fora da umbanda. Na região Sul do Brasil, principalmente, o encontramos dentro de um grupo muito especial, chamado de Caboclos Africanos.
Ali ele se manifesta com o nome de Pantera Negro Africano, ao lado de Arranca-Caveira Africano, Arranca-Estrela Africano e Pai Simão Africano, entre outros. A maneira de atuar destes entes é muito parecida com a dos Caboclos Quimbandeiros, sendo confundidos com frequência.
Alguns adeptos e médiuns que trabalham com estas entidades, acreditam que é o mesmo Pantera.
Porém Seu Pantera Negra vai além. Seu culto é encontrado nos Estados Unidos e no Caribe, como tive a oportunidade de conhecer, dentro do Xamanismo Nativo, Santeria Cubana (ou Regla de Ocha) e Palo Monte.
Lembro de David Lopez, um santero de Porto Rico. Quando ele fez dezesseis anos, sua tia, Dona Carita, o levou a uma festa de Orixá e ali ele desmaiou. Aconselhado por um babalawo, David resolveu fazer o santo. Antes da iniciação a seu Orixá, como de costume no Caribe, foi celebrado um ritual em honra aos ancestrais (eguns). Na celebração, incorporou em nosso amigo um espírito de índio bravíssimo… Batia muito no seu magro peito e vociferava como se estivesse em uma guerra. Quando foi pedido o seu nome, disse o indígena : sou Pantera Negra !
Vi o mesmo tipo de transe aqui no Brasil, em raros médiuns de Seu Pantera, como o querido irmão Mário (Malê) de Ogum, sacerdote umbandista.
No Haiti ele é conhecido como Papa Agassou (Pai Agassou) e aparece como uma negra pantera e não mais como índio.
A tradição considera que ele veio da África, da região do antigo Dahomé, onde era celebrado como totem e protetor da Casa Real. O primeiro nobre desta linhagem, contam os mais velhos, foi um homem-fera, pois tinha pai pantera e mãe humana.
Agassou é muito temido, pois é profundamente justo e não perdoa os fracos de caráter. Poucos médiuns conseguem suportar a incorporação dele ou de outros espíritos da família das panteras. É necessário muita preparação, firmeza de pensamento e moralidade. Do contrário, e isto realmente acontece, o médium começa a sangrar muito durante a incorporação. É terrível.
Em outras ilhas do Caribe, também encontramos seguidores de Pantera Negra. Alguns o invocam como espírito indígena e outros como uma força africana, meio homem, meio felino.
No Brasil, ouvi as mesmas recomendações de pessoas que cultuam ou trabalham com Pantera Negra. Pai Lúcio me disse, que os aparelhos de Seu Pantera não costumavam beber, falar demais ou serem covardes. Eram disciplinados, verdadeiros guerreiros modernos.
Em certos rituais de Pajelança Cabocla, podemos ouvir o bater incessante do maracá e o chamado do pajé, que canta :
YAWARA Ê !
YAWARA Ê !
HEY YAWARA,
YAWARA PIXUNA,
PIXUNA Ê, YAWARA,
YAWARA, YAWARA !
Yawara Pixuna, quer dizer Pantera Negra. Alguns traduzem como Onça Negra. O canto acima, pode ser utilizado para afastar espíritos maléficos, que fogem ao ouvir este nome mágico.
Caboclo ou Exu, Pantera ou Onça, brasileiro ou estrangeiro, ele é mais um mistério que Zambi animou. O tempo passa, mas Pantera Negra ainda persiste.
SALVE PANTERA NEGRA !
Receitas Tradicionais
PATUÁ DE PROTEÇÃO “PANTERA NEGRA” (Obeah – Caribe)
  • um imã pequeno
  • um pouco de limalha de ferro
  • uma pedra de azeviche
  • uma Cruz de Caravaca pequena
  • uma bolsinha de couro preta.
Em uma noite de Lua Cheia, colocar tudo na bolsinha e fechar. Rezar a Pantera Negra pedindo proteção. Acender uma vela verde normal e um charuto forte (de capa escura) como oferenda, depois da oração. A bolsinha fica ao lado da oferenda, até o dia seguinte.
Banho dos Espíritos Panteras
para a sorte e proteção (Magia Vodu – Haiti)
  • três colheres de sopa de mel
  • três copos de licores diferentes
  • três garrafas de água mineral (ou de rio)
  • três raminhos de canela
  • um pouco de arruda
  • três velas (verde, amarela e vermelha).
Faça um triângulo com as velas e as acenda. Coloque ao lado de cada vela, uma garrafa de água aberta. Peça aos poderosos espíritos panteras para consagrarem as águas. Quando as velas terminarem, despeje as garrafas em uma tina ou balde limpo. Ferva a canela e a arruda separadamente em meio litro de água. Adicione esta mistura na tina de água e coloque o mel. Misture e tome um banho.
PURIFICAÇÃO DA CASA OU LUGAR DE TRABALHO ESPIRITUAL, INVOCANDO 
PANTERA NEGRA E PANTERA VERMELHA
(Xamanismo Mexicano)
  • um pouco de pólvora
  • uma garrafa de marafo com três raminhos de canela dentro (curtidos dentro da garrafa por três semanas)
  • um pouco de alpiste
  • um pouco de olíbano.
Em um prato limpo e branco, colocado atrás da porta principal, fazer uma pequena cruz de pólvora e queimar (com muito cuidado). Depois de queimada a pólvora, regar o prato com um pouco de marafo com canela. Invocar a proteção de Pantera Negra, Pantera Vermelha e a Legião dos espíritos panteras, pedindo limpeza astral e purificação do lugar. Em um vasinho de barro, queimar carvão e jogar dentro um pouco de alpiste e olíbano. Defumar todo o ambiente. Despachar as cinzas e o prato longe de casa. O marafo restante, pode ser usado para benzer as pessoas do lugar.
COMO BENZER COM O MARAFO:
– Fazer uma cruz no pulso esquerdo e direito da pessoa a ser benzida.
– Em seguida, fazer uma cruz na testa e dizer :
PANTERA NEGRA,
PANTERA VERMELHA,
FORÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR,
A LEGIÃO VAI TE DAR !
PANTERA NA TERRA, PANTERA NA ÁGUA,
PANTERA NO FOGO E PANTERA NO AR,
TE BENZO COM POVO DE JAGUAR !
Referências
  • Jornal de Umbanda Sagrada – edição de Novembro de 2005

Tia Maria de Minas

 Ponto cantado de tia Maria.
Filho se você precisar, é só pensar na vovó que a vovó está lá,
Sentado num branquinho branco zi fio com sua rozária na mão.
Pensa numa estrada longa zi fio lá no seu jacutá.
Pensa na vovó Maria que ela vem lhe ajudar.

Em meus áureos tempos de desenvolvimento mediúnico Tive o prazer e alegria de poder camboniar

( servir) Tia Maria.
Todas as vezes que tinha sessões publicas de passes e benzimentos, eu ia pro terreiro e ficava o tempo todo ao lado da Tia Maria anotava, o que ela receitava, esclarecia algo que ela em seu linguajar dizia aos consulentes.
E com isso aprendi muito, vi centenas de vezes a Tia Maria, aplicar seus passes,  ensinar  suas mirongas, banhos de descarrego, defumações, ouvi conselhos que era destinado aos outros mas que tomei como base pra minha vida.
Entre os inúmeros benzimentos que presenciei um me chamou atenção:
Um casal com um recém nascido nos braços veio se consultar com a tia Maria.
A mãe não sabia mais o que fazer, pois a criança tinha cólica e chorava muito.
Tia Maria tomou em seus braços o bebê, com o dedo retirou um pouco de cinzas de seu cachimbo e fez o sinal da cruz na barriguinha do bebê.
Passou o seu rosário sobre a criança e começou a rezar:
“ Mãe Maria Santíssima , Mãe de todas as Mães ,
Mãe de todos os sofrimentos, Mãe dos aflitos,Mãe dos Cristãos, 
Mãe dos homens,  Mãe dos hospitais, Mãe das criancinhas.
Mãe de quem chora Mãe estrela Dalva, Mãe estrela guia, Mãe estrela de Maria
Mãe socorrei nossos filhos, socorrei nossos campos de trabalhos, nossas andanças e nossas caminhadas.
Mãe coroa dos anjos, socorrei as nossas crianças, protegei e iluminai com sua bênção divina (fulano falou o nome do bebe),tirai todo ventre virado , lombriga assustada, lombriga desconfiada, todos os males olhados, todo quebrante,ventre virado, todas as cólicas e dores.
Peço minha Mãe Maria santíssima, que tenha piedade de nós e me mande os médicos do laboratório espiritual de meu pai, pra que na dormida de (fulano), eles possam passar fazendo as curas.
Com os poderes de Deus, da virgem Maria e do Divino espírito santo, e são José assim como vem com seu filhinho nos braços, atenda  o que essa filha  esta pedindo com seus filhos nos braços, peço abençoe  todos nós.
                                        Mãe bondosa, Mãe caridosa, Mãe amorosa.
                                                                  Assim seja.”
Ao encerrar sua reza Tia Maria vira o bebê de bruços em seus braços, e o embalou, em poucos instantes a criança adormeceu.
Ela entrega o Bebê de volta a mãe, ensina um chá e recomenda que volte mais duas vezes seguida pra Benzer.
Passado alguns dias o casal retornou, e contaram que depois daquele dia a criança não teve mais cólica, que estava dormindo melhor, e que vieram para agradecer.
Tia Maria de Minas é  uma Preta-velha disciplinadora, impõem respeito e ordem em seus trabalhos.
Exigente com seus filhos de fé, principalmente no que diz respeito a deveres e obrigações.
Tia Maria costuma dizer: “Que nosso corpo é o Templo do Divino, morada dos orixás”.
Tia Maria recomenda que jamais devamos discutir com quem quer que seja sobre religião.
Pede sempre pra que respeitemos todas as religiões por que toda vem de Deus.
Pede pra não criticar o que não entendemos.
Sempre nos diz: ”que aqueles que arrumam tempo pra criticar a “religião” alheia nunca  tem tempo pra praticar a sua”.
Que a umbanda não se resume em palavras, mas sim em ações.
Que devemos fazer o bem sem olhar a quem.
Tia Maria costuma dizer que:
“Ninguém muda ninguém, que o Máximo que podemos fazer é mudar a nós mesmos”
“Que cada pessoa é o que consegue ser”.


                   Assim é a nossa Boa e Gloriosa Tia Maria.

Pai Joaquim

Que preto é esse, oh Calunga
Que chegou agora, oh Calunga
É o Pai Joaquim oh calunga
Que veio de Angola.
Que preto é esse, oh Calunga
Que chegou agora, oh Calunga
É o Pai Joaquim oh calunga
Que veio de Angola.
 

Lendas de Pai Joaquim,O PORQUE DO NOME DE PAI JOAQUIM DE ANGOLA E O SEU CHAPÉU DE PALHA                                          
          SÃO MUITOS OS MISTÉRIOS QUE ENVOLVEM O POVO, AS LINHAS, O UNIVERSO DA NOSSA UMBANDA QUERIDA.

          GRANDES FIGURAS ENTREMEIAM COM A CORDA DA HUMANIDADE, UMA DESTA FIGURA É O GRANDE PRETO-VELHO PAI MANOEL
JOAQUIM DE ANGOLA, QUE BAIXA NOS TERREIROS LEVANDO SUA MISSÃO DE AMOR E ESSE AMOR É TÃO GRANDE QUE NINGUÉM PARA,
PARA TENTAR DESVENDAR QUEM FOI ESTA LENDÁRIA FIGURA ENTRE OS PRETOS VELHOS DE UMBANDA.

           PAI JOAQUIM OU IQUEMÍ FOI UM NEGRO FORTE, GUERREIRO, FILHO PROMETIDO DE UMA FAMÍLIA REAL AFRICANA, ORIUNDA DEANGOLA, ÁFRICA PARA REINAR JUNTO AO SEU POVO.

          IQUEMÍ ERA UM PRÍNCIPE MAJESTOSO, AMAVA SUA LIBERDADE, SEUS AMORES, UM LEGITIMO FILHO DO ORIXÁ XANGÔ.

          MAS ENTRE GUERRA DE BRIGAR PELO PODER, IQUEMÍ FOI APRISIONADO POR UMA TRIBO INIMIGA QUE O ENTREGARAM AOS
MERCADORES BRANCOS.

          IQUEMÍ O GRANDE GUERREIRO, PRÍNCIPE DE SUA TRIBO ESTAVA EM DESESPERO, PRESO COMO UM ANIMAL, VEIO NO PORÃO DE UM
NAVIO AOS GRITOS DE DESESPERO DOS SEUS INIMIGOS DE COR.

          O MERCADOR DE ESCRAVO, DONO DO NAVIO AONDE VINHA IQUEMÍ, SOUBE DO DESTAQUE DE TER UM PRÍNCIPE ENTRE OS OUTROS
ESCRAVOS, OBSERVOU O SEU PORTE, SUA BELEZA, SEUS DENTES PERFEITOS E SEU CORPO MÚSCULOS, MAS VIU NOS SEUS OLHOS QUE
NÃO SE SUBMETERIA AOS MAUS TRATOS EM SE TORNAR UM ESCRAVO.

          O MERCADOR DE ESCRAVOS CHAMAVA-SE MANOEL JOAQUIM, NASCIDO EM LISBOA DECIDIU FICAR COM IQUEMÍ NA SUA FAZENDA
NAS TERRAS DA BAHIA.

          ASSIM IQUEMÍ CHEGOU A BAHIA FOI PARA A FAZENDA DO MERCADOR.

          MAS IQUEMÍ NÃO ACEITAVA SER ESCRAVO, O MERCADOR SE AFEIÇOOU DE IQUEMÍ DEVIDO A SUA VALENTIA, SUA FORÇA E
DESTAQUE ENTRE OS NEGROS, MAL SABIA QUE SOBRE A LUZ DO ESPIRITISMO AMBOS ERAM ALMAS AFINS UNIDOS PELO DESTINO.

          IQUEMÍ FOI CONQUISTANDO A AMIZADE DO SENHOR MANOEL JOAQUIM, QUE SÓ TEVE UM FILHO QUE MORREU CEDO COM A
PESTE, GOSTAVA DE IQUEMÍ COMO DE UM FILHO E UM DIA LHE DISSE:

          – NEGRO, TU NÃO TENS UM NOME, UM NOME VERDADEIRO, UM NOME ONDE VAIS SER CONHECIDO, VOU PENSAR COMO TE CHAMAR.

          O MERCADOR ADOECEU SERIA MENTE, ANTES DE MORRER BATIZA IQUEMÍ DE MANOEL JOAQUIM DE LUANDA, UM PEDIDO DE IQUEMÍ.

          SUA FAMA CORREU TERRAS, ENVELHECENDO SE TORNOU PAI DE TODOS. PAI MANOEL JOAQUIM DE LUANDA ( PAI JOAQUIM
 D’ANGOLA)

          SEU PAPEL NA ESCRAVIDÃO FOI IMPORTANTÍSSIMO, PROMOVIA A PAZ ENTRE SEUS IRMÃOS DE COR. BONDOSO, UM VERDADEIRO
CRISTÃO, PAI JOAQUIM RECEBEU SEU PRIMEIRO CHAPÉU DE PALHA, DADO POR BISPO DA IGREJA LOCAL QUANDO SUA CABEÇA JÁ ERA
TODA BRANQUINHA. SOFREU MUITO NO CATIVEIRO, MAS JAMAIS ESQUECEU SUA GRANDE E VELHA MÃE ÁFRICA.
 
Saravá Umbanda

Sao Cipriano

Venerado pela igreja, adorado pelos feiticeiros, respeitado pelos magos…
São Cipriano, bispo de Antioquia, passou para a história co­mo um már­tir e ganhou a fama co­mo o mago mais conhe­cido do mundo.
Nascido no século III d.C., segundo a len­da, ele logo entrou para a irmandade dos magos depois de uma estadia entre os persas.
Na sa­grada terra do culto do fogo, ele aprendeu as ar­tes adivinhatórias e in­vocatórias.
Os ances­trais espíritos e gênios eram conhecidos por Ci­priano, que mantinha con­tato fre­qüente com o Mundo Invisível.
Voltando para sua cidade natal, Ci­priano começou exercer sua ren­tável pro­fissão.
Logo adquiriu fama e era pro­cu­ra­do por nobres, comerciantes e guer­rei­ros.Certo dia um cavalheiro apaixo­nado pe­diu um feitiço amoroso, um “filtrum”, co­mo chamamos em magia natural.
O al­vo era a bela e jovem Justina, nobre vir­­gem cobiçada por muitos ricos senho­res.
Justina havia sido recentemente con­ver­tida a uma nova e estranha religião…
Seus seguidores adoravam um judeu cru­cificado da Palestina que tinha feito muitas curas e profecias.
Aos olhos dos antio­que­nos isso era até engraçado.
Por que adorar um homem, se existiam tantos deu­ses e gênios?
Cipriano preparou um filtrum e nada acon­­teceu.
O cavalheiro apaixonado re­cla­­mou e exigiu o dinheiro de volta.
Nosso mago, muito contrariado e não acostu­ma­­do a falhar, refez a poção e adicionou um conjuro especial.
Nada!
Agora a coisa era para valer!
O Mestre Cipriano convocou o Rei dos Gênios em pes­­soa.
Dentro do círculo mágico ele or­de­­nou e o terrível Jinn se fez presente.
O gênio explicou que Justina era serva de uma entidade de maior magnitude e nada poderia fazer…
Dito e feito.
Movido pela curiosidade Cipriano vai até Justina.
Estabelece uma rica conversa com ela e percebe na garota uma luz espe­cial.
Dias depois, o poderoso Cipriano se con­vertia ao Cristianismo primi­tivo,
que nesta época era uma re­ligião cheia de magia, sa­be­doria e simplicidade.
Afinal, o Cristianismo nas­cente era o her­deiro da religião dos velhos ma­gos da Pérsia.
Não esta­vam os três grandes ma­gos persas diante do me­nino Jesus na noite de Na­tal?
Cipriano e Justina mor­rem juntos durante a perseguição aos cristãos.
Séculos depois, curan­dei­ros e benzedores eu­ro­pe­us vão pedir a Cipria­no, que virou santo, fa­vo­res e saberes.
O culto de São Cipriano chegou ao Brasil com os degredados portugueses perseguidos pela Inquisição.
Na memória eles traziam as fórmulas, orações e magias ciprianas.
Bem mais tarde os primeiros “livros de São Cipriano” chegaram aqui.
Com a chegada dos negros escravos, os Mulojis (xamãs) bantus tomaram conhe­cimento da tradição do mago de Antioquia.
Boa coisa!
Na Kimbanda Cipriano era con­siderado um Makungu (ancestral divi­ni­zado) e digno de culto.
Em Angola os Mu­lojis já cultuavam Santo Antonio, que se encarnou numa profetisa bantu cha­ma­­da Kimpa Vita.
Por isso, dentro do cul­­to de Cipriano os xamãs botaram muitas mirongas e mandingas.
O tempo passou e a Kimbanda virou Quimbanda.
Elementos da feitiçaria ocultis­ta e mesmo da magia negra penetraram nos ensinamentos dos sábios Tios e Tias africanos.
São Cipriano entrou nos mistérios da noite.
O respeito virou medo e assombro.
O santo ganhou Ponto Cantado, Riscado e Dançado.
Pulou do altar para o chão de terra, virou chefe de Linha e Falange, vestiu toga negra e até adquiriu um gato preto!
Na Lua Cheia de agosto ele tem festa à meia-noite, junto com a Comadre Salomé e os Compadres Bode Preto e Ferrabrás.
Até uma Fraternidade Mágica ele ganhou, quando Dom Fausto, um cu­randeiro,
encontrou um frade agonizando perto de um local desértico.
Examinando o doente, ele notou que o religioso fora mordido por uma vene­nosa serpente e estava à beira da morte.
Dom Fausto o carregou até sua casa e o curou com a ajuda de preciosas ervas.
Como agradecimento, o frade presenteou o curandeiro com uma velha cruz de ma­deira.
Noites depois, na pobre casinha de Dom Fausto, ocorreu um fato sobre­na­tural.
Uma estranha e misteriosa luz ema­nou da cruz, preenchendo todo o am­biente.
O curandeiro acordou e viu, ao la­­do da cruz iluminada, a figura de um velhinho barbado com mitra na cabeça.
O personagem que segurava um cajado, sorriu para ele e disse:
-“ Venho até você e peço…
Crie uma fraternidade de bons homens e mulheres, façam a caridade e curem em nome de Deus.”
O curandeiro, admirado, perguntou:
– “Quem é você?”
O espírito respondeu:
– “Sou Cipriano!”
Dias depois, Dom Fausto reuniu seus tios, alguns primos e contou o ocorrido.
Nasceu assim uma Fraternidade de cura sob a proteção de São Cipriano.
Isto acon­teceu no século XVIII, em Dezembro de 1771.
Durante algum tempo o piedoso gru­po só admitiu parentes.
Porém, se­gundo orientações espirituais, foram sendo convidadas pessoas de boa índole de ou­tras famílias e procedências.
Por tradição uma cidade mágica era escolhida para sediar a Fraternidade.
O critério da escolha sempre foi motivado por estranhas leis estudadas na Radiestesia.
Paraty (RJ) foi a cidade escolhida, pois, além das condições telúricas excelentes,
ela é toda construída com sólido simbo­lismo maçônico.
Coincidentemente, a re­gião também tinha forte presença kimban­deira e quimbandeira,
que com o tempo chegou até a receber os místicos cultos da Cabula e da Linha das Almas.
Hoje a cida­de não fica por menos, já que conhecemos algumas irmandades de iniciados caba­listas,
templários e yogues que se estabe­leceram por lá.
Na Quimbanda os espíritos de alguns pretos velhos de origem bantu se filiam na Linha de São Cipriano.
Estas são almas de antigos mandingueiros, feiticeiros (aqui com o sentido de xamã) e kalungueiros.
Todos mestres nas artes da cura e da magia.
Muitos até adotam o nome do Pa­­trono:
Pai Cipriano das Almas, Pai Ci­priano Quimbandeiro, Pai Cipriano de Angola…
Estas entidades recebem ofe­rendas na kalunga pequena, perto do Cruzeiro.
Também são ofertadas nas por­tas das igrejas e capelas.
Oferendas: Velas brancas ou brancas e pretas, marafo, café preto e tabaco.
Uma Linha pouco conhecida, mas também ligada a São Cipriano, se chama Linha dos Protetores.
Neste grupo tra­ba­lham espíritos de velhos magos europeus, ciganos curandeiros e misteriosas entida­des do fundo do mar.
São Cipriano está vivo e é do bem.
As receitas exóticas dos Livros de São Ci­priano
(Capa de Aço, Capa Preta, Capa Vermelha, etc…)
jamais foram praticadas ou escritas por ele.
Elas são uma triste con­­tribuição da magia negra européia.
Os segredos de São Cipriano passa­ram para os Mulojis da Kimbanda e
foram repartidos com alguns adeptos da Quim­banda.
Contudo, ainda existe o mistério.
Quais seriam estes segredos?
Como diz um velho Ponto Cantado de São Cipriano:
“Santo Antonio é mandingueiro,
Santo Onofre é mirongueiro.
Ai, ai, ai, meu São Cipriano…
Negro que sabe fazer bom feitiço,
Faz em silêncio, fala pouco e é quimbandeiro!”